Cobit 4.1

Desenvolvido pela ISACA(Information System Audit and Control Association) na década de 90 o Cobit (Control Objectives for Information and related Technology) que pode ser traduzido como “objetivos de controle para a Informação e Tecnologia” é composto por três modelos: Modelo de Processos (framework), Modelo de Governança de TI e Modelo de Maturidade.

O Cobit apresenta um modelo de controle através de um framework de domínios e processos, apresentando as atividades em uma estrutura lógica gerenciável. Essas práticas buscam contribuir para a otimização da TI, habilitando investimentos, garantindo a entrega de serviços, além de prover sua mensuração. Afirma-se também que o COBIT procura garantir a Governança de TI um framework que assegure quatro aspectos principais, que a TI esteja alinhada com o negócio; que a TI torne o negócio possível e maximize seus benefícios; que os recursos de TI sejam utilizados com responsabilidade e que os riscos associados TI sejam gerenciados de maneira apropriada.

O foco em processos do Cobit é ilustrado por um modelo de processos de TI subdivididos em quatro domínios e 34 processos em linha com as áreas responsáveis por planejar, construir, executar e monitorar, provendo assim uma visão total da área de TI.

Importante ressaltar que o framework do Cobit independe da plataforma de TI utilizada pela organização, pois sua aplicação é voltada para o negócio, fornecendo de forma detalhada as informações necessárias para o gerenciamento dos processos e possibilitando monitorar o quanto a TI esta agregando ao valor do negócio.

A utilização eficaz da TI, em conjunto com a integração entre sua estratégia e a estratégia do negócio, visam muito mais do que apenas uma ferramenta de produtividade, mas sim, em sua maioria, um fator crítico de sucesso organizacional. O caminho para esse sucesso não se relaciona mais apenas com software e hardware ou metodologias de desenvolvimento, mas com as características da empresa e de sua estrutura organizacional, buscando o alinhamento estratégico da TI com o negócio.

A Governança de TI passa ser fundamental para o êxito das organizações, possibilitando o alinhamento estratégico dos negócios, ocupando uma posição de destaque e estratégia dentro das empresas, contribuindo em grandes vantagens competitivas, pois além de servir como base nas operações de negócios, proporciona a viabilidade de novas estratégias empresariais, além de contribui para esclarecer certas expectativas.

Uma primeira esta relacionada ao modelo operacional desejado pela empresa, a área de TI tem suas ações pouco conhecidas dentro das organizações. Na maioria das empresas, não existe alinhamento das estratégias de TI com as estratégias de negócios. Apenas com novas práticas de governança será possível fazer a adequação de TI com a estratégia de negócios das organizações.

Uma segunda se refere ao fato de como a TI suportará o modelo operacional desejado, tendo como resposta, a criação de estimativas e previsões para futuros projetos e assegurar a compatibilidade com os já existentes.

Outra expectativa nos remete a como a TI será financiada, pois independente do porte das empresas, os custos para automatização dos processos se tornam consideráveis e permanentes, pois além de projetar, desenvolver e sustentar, um sistema de TI necessita de ações permanentes devido aos rápidos avanços tecnológicos.

Para a área de TI ter sucesso em entregar os serviços requeridos pelo negócio, os executivos devem implementar um sistema interno de controles ou uma metodologia.

O modelo de controle do Cobit contribui para essas necessidades.

Deixe um Comentário